[Review] Lenovo Vibe K5

No campo dos intermediários, a Lenovo traz o Vibe K5 para brigar com Galaxy J2, Moto G e Redmi 2, será que ela vai se sair bem? Confira em nosso review!

O Lenovo Vibe K5 é o segundo celular da empresa que desembarca no Brasil sem o logo da Motorola estampado nas costas. Sua missão não é fácil: Brigar nos intermediários, onde a Samsung, LG, Xiaomi e até mesmo a própria Motorola já estão em uma batalha árdua.

Com bons números e prometendo um som fantástico através da parceria com a Dolby, o Vibe K5 foi testado pela nossa equipe para conferir se ele faz jus as expectativas.

Tirando da caixa

Em uma caixa simples, a Lenovo traz um kit digno para o que estamos acostumados hoje em dia, com fone de ouvidos interauriculares, carregador simples e cabo USB. Além, é claro, dos manuais de instruções e o próprio aparelho.

O Lenovo Vibe K5 que testamos é elegante em sua cor prata, sendo a frente branca, com uma tela de 5” FullHD, câmera frontal de 5MP e botões físicos fugindo do padrão utilizado no Android e se aproximando do visto na Samsung e Xiaomi, ou seja, a ordem deles é invertida em relação aos botões virtuais do Android, tendo na direita o botão voltar, no centro o home, e na esquerda o dos apps recentes.

Um detalhe que desagradou foi a borda metalizada em plástico na frente, bem ao estilo Samsung em 2013, que acabou “quebrando” o design elegante do Vibe K5.

A sua traseira e as laterais são em metal fosco, lembrando a textura do iPhone 6s, tendo o logo da Lenovo no centro, a câmera de 13 MP e o flash Dual LED no canto superior esquerdo e a saída de áudio na parte de baixo. Sim, isso mesmo, a Lenovo falou tanto do som do K5 e colocou a saída em uma posição que é alvo de críticas.

Na parte superior temos a entrada Micro USB 2.0 e a P2, para fones de ouvido. Falando neles, são interauriculares e com uma qualidade razoavelmente boa, nada surpreendente, mas acima da média se compararmos com seus principais concorrentes.

Os botões de volume e power se encontram na lateral direita, muito bem posicionados.

Vale lembrar que a tampa traseira de metal é removível, tendo acesso a bateria de 2750 mAh, aos dois slots de Micro SIM 4G e a um slot para Micro SD de até, apenas, 32GB.

Hardware

A Lenovo apresentou o K5 com bons números em relação ao hardware: Chipset Snapdragon 616 MSM8939v2 64bit, com processadores Cortex-A53 de 1.5 GHz e Cortex-A3 de 1.2GHz, 2 GB de memória RAM, 16 GB de memória interna e GPU Adreno 405.

Números respeitáveis para um intermediário, trazendo um espaço interno relativamente bom, uma memória RAM equilibrada que promete ser o suficiente para o dia a dia e uma GPU que parece dar conta do recado.

Em relação ao display, a Lenovo chega trazendo uma tela IPS LCD respeitável Full HD de 5”, alcançando a marca de 441 ppi, conseguindo superar praticamente todos os concorrentes intermediários, que normalmente trazem uma tela HD com cerca de 310 ppi.

E não é só de números que essa tela surpreende, visualmente ela se mostra brilhosa e com um alto índice de detalhes, sendo a melhor tela em um dispositivo intermediário até agora.

Software

A Lenovo trouxe o Android 5.1.1 no Vibe K5, porém, diferentemente do que faz com a linha da Motorola, trouxe modificações de gosto duvidoso, não seguindo as mesmas diretrizes de design do Lollipop.

Na tela inicial temos uma launcher eficaz, sem drawer de aplicativos e que traz uma experiência agradável. Já nos apps recentes, verificamos a presença de dois botões úteis na parte superior, mas com um design ultrapassado que acaba passando uma imagem de certo desleixo da fabricante.

Ao descer a tela de notificações, vemos uma grade de atalhos rápidos que são apresentados de uma forma tumultuada, porém com um design interessante, sendo o fundo negro com um degradê, que apesar de fugir das diretrizes do Android atual, não chega a ser algo que incomode.

Já nas configurações, para nosso alívio, a Lenovo não mexeu em muita coisa, se limitando a um ajuste nos ícones e a adição de duas funções nas quais gostamos bastante: Programar Liga/Desliga, que, como o nome já diz, permite programar uma hora para que o dispositivo desligue automaticamente, e também traz um Gerenciador de Permissões para controlar as ações dos apps.

A Lenovo também optou por não trazer bloatwares, apenas alguns aplicativos dela mesmo que envolvem suporte. No entanto, ela resolveu alterar o layout de alguns apps, os deixando bem deselegantes.

Desempenho

Confesso que não sou muito fã de benchmarks, porém os seus números não são nada ruins: 27219 no AnTuTu e 1072 no Metal do Vellamo.

Com o aparelho em mãos, que é o que importa, percebemos um dispositivo rápido, com velocidade nas transações de apps e sem engasgos, fazendo jus ao seu hardware.

No dia a dia e em momentos de estresse ele se mostrou da mesma maneira: eficaz em todas as suas tarefas, sendo elas: uso de redes sociais e mensageiros, gerenciamento de arquivos e momentos de jogatina, no qual percebemos que o aparelho se aqueceu porém sem engasgos durante a execução de jogos mais pesados, como Asphalt 8 e Dead Trigger 2, no entanto, eles foram executados perfeitamente.

O único ponto que devemos chamar a atenção é que em momentos de sincronização ou em atualização de apps, a velocidade do dispositivo cai consideravelmente, deixando evidente o estado de estresse. Isso acontece bastante tanto em dispositivos menos potentes quando nos mais parrudos, no entanto, obviamente, é mais sentido em um aparelho com um hardware de entrada ou intermediário. No caso do Vibe K5, como dissemos, você sentirá uma redução na velocidade, porém assim que a sincronização ou a atualização for finalizada, tudo volta a rodar em 100% de desempenho.

Outro problema observado foi em relação à lentidão excessiva na hora de instalar os aplicativos. Entramos em contato com a Lenovo e descobrimos que a velocidade de gravação de um lote do Vibe K5 estava extremamente baixa (12 Mb/s) por conta de um problema de software, e que isso seria corrigido em uma atualização muito em breve.

Enfim, o Lenovo mostrou que os deslizes no software foram somente em relação a design, e que o seu hardware está devidamente integrado com o sistema, trazendo um desempenho excelente para um intermediário.

Bateria

Confesso que quando vi os números do hardware e a tela de resolução Full HD com esse brilho excelente, logo imaginei que o maior problema do K5 seria na bateria, porém, o dispositivo me surpreendeu novamente:

Os números não são empolgantes, mas também nada desanimadores: Em uso pesado, com 4G ligado o tempo todo e verificação de redes sociais, mensageiros, jogatinas rápidas e duas horas de streaming de música no “comilão de bateria” Apple Music, o tempo de tela (ligada com brilho no 40%) chegou a seis horas e vinte minutos, sendo que a duração de bateria geral bateu a marca de onze horas.

Dessa forma, consegui manter essa rotina carregando o dispositivo todas as noites. Sobre o tempo de carregamento, ele é bom, indo de 5% a 100% de carga em cerca de uma hora e meia.

Multimídia

Depois do lançamento do Lenovo Vibe A7010, muito era esperado do áudio do K5, já que ela iria trazer praticamente o mesmo hardware da Dolby nesse quesito.

Realmente, com o aparelho virado de cabeça para baixo, temos o mesmo som do seu irmão mais velho: alto, claro e nítido. No entanto, se atente ao detalhe: de cabeça para baixo! Isso porque a nossa Lenovo trouxe a saída de som atrás, e ambos na parte de baixo, não trazendo uma experiência estéreo e com risco de ser abafada devido ao seu péssimo posicionamento.

Dessa forma, já adianto que se procura esse dispositivo apenas pelo som, recomendo o Vibe A7010, já se quer apenas um ótimo som no smartphone e não se incomoda dele ser atrás, o K5 cabe para você.

Agora, onde armazenar tantas músicas e filmes? O armazenamento interno é de 16 GB, mas com só 11 GB disponíveis, sendo necessário o uso de um cartão Micro SD que só pode ser de até 32 GB, portanto nada de 64 GB e muito menos 128 GB.

Câmeras

Trazendo uma lente traseira de 13MP, com estabilização de imagem digital e autofoco, imaginei que veria uma câmera satisfatória, mas nada que chegue perto do ótimo. E foi isso que aconteceu.

Em ambientes bem iluminados, mas sem excesso de raios solares, as fotos saem bonitas e com uma boa qualidade. No entanto, em ambientes escuros e, principalmente, em ambientes muito iluminados, as fotos saem lavadas, com um tom esbranquiçado, estourando muito as cores claras.

Já a câmera frontal de 5 MP é capaz de proporcionar selfies melhores que a de seus concorrentes nessa faixa de preço, mas também não chega perto de ser ótima.

Dessa forma, o Lenovo Vibe K5 pode atender quem procura um smartphone com uma câmera satisfatória, mas para quem quer compra-lo exatamente por esse motivo, com certeza irá se decepcionar, pois pode encontrar uma câmera traseira mais eficaz em alguns dos seus concorrentes, como no Moto G da terceira geração.

As fotos capturadas com o aparelho podem ser vistas em nosso Flickr sem compactação ou na galeria abaixo.

Conclusão

Pecando apenas na câmera e na posição dos auto-falantes, o Lenovo Vibe K5 traz um desempenho acima da média na categoria, com uma tela excelente e bateria satisfatória, sendo o melhor custo benefício atual na categoria de intermediários de até R$ 900,00 para quem procura um aparelho dual chip elegante, rápido e que acompanhe um uso relativamente pesado no dia a dia.