O cartão versus a nuvem

A eterna busca por mais espaço de armazenamento

Por Dinesh Bahal
vice-presidente de Marketing de Produtos da SanDisk®, Western Digital
*Este artigo expressa a visão do autor e não necessariamente a de seu empregador

Cartão ou nuvem? Essa é a questão que os consumidores e as empresas estarão se perguntando cada vez com mais frequência ao pensarem em armazenamento e compartilhamento de vídeos, fotos e outros arquivos — será melhor fazer o upload dos arquivos para a nuvem ou salvá-los em um dispositivo de armazenamento local, como um cartão de memória microSD™, uma unidade USB de alta capacidade ou mesmo uma unidade de estado sólido?

Em um primeiro impulso, a resposta talvez seja a nuvem. Não está tudo sendo armazenado na nuvem? Além do mais, empresas como a Google e a Box oferecem gigabytes de armazenamento grátis. A ideia de armazenamento “grátis” soa como uma solução 100% vantajosa para os consumidores, especialmente à luz dos atuais avanços nas tecnologias de vídeo e fotografia que oferecem clareza, profundidade e cores incríveis — resultando em tamanhos de arquivo maiores.

Mas acontece que gigabyte gratuito não existe.

A tarifa oculta

O armazenamento em nuvem propriamente dito talvez seja gratuito, mas as tarifas de rede aplicáveis à transferência de vídeos ou fotos para a nuvem podem rapidamente chegar a valores significativos a cada mês, especialmente porque muitos dispositivos inteligentes hoje são capazes de tirar fotos e gravar vídeos em alta resolução — gerando arquivos enormes que rapidamente consomem o plano de dados ao serem transferidos de dispositivos conectados para a nuvem.

A maioria dessas transferências agora ocorre em redes 4G, o que torna o uso de dados ainda mais invisível devido às rápidas velocidades de upload ou download dos arquivos.

Há uma variedade de fatores que contribuem para esse pico no uso de dados e na necessidade que o consumidor tem de contar com um armazenamento expansível confiável, em substituição ou em adição à nuvem.

Todo mundo é fotógrafo

Parcialmente responsável pela explosão no uso de dados é o interesse renovado pela fotografia digital, auxiliado pelas câmeras de alta qualidade que quase todos carregam em seus bolsos na forma de um smartphone.

Desde 1826, quando a primeira foto foi tirada, a fotografia passou por uma transformação completa. Globalmente, hoje geramos mais de 1 trilhão de imagens por ano, ou 114 milhões por hora, o que resulta em uma enorme quantidade de dados. A grande maioria dessas fotos é tirada em celulares ou câmeras digitais; na verdade, a IDC estima que, até 2019, 90 por cento de todas as imagens capturadas virão de dispositivos móveis. Tirar uma foto em um dispositivo móvel torna ainda mais fácil o upload, a publicação e o compartilhamento, mas o crescente aumento no número de megapixels, na resolução e no tamanho dos arquivos, significa também um maior uso de dados.

Entretanto, existe uma variedade de opções de armazenamento físico que podem ajudar os consumidores a aliviar a memória padrão de fábrica, cada vez menor, e evitar o incômodo das tarifas extras. Muitos usuários podem tirar proveito dos dispositivos de armazenamento removíveis, incluindo os cartões de memória microSD, enquanto outros podem usar pendrives USB duplos especialmente projetados em dispositivos que não oferecem armazenamento expansível. A grande variedade de produtos disponíveis não apenas permite aos usuários aumentar rapidamente a capacidade de armazenamento do dispositivo, como também oferece uma maneira eficiente de fazer o backup de conteúdos sem precisar depender de limites de dados ou da eficiência da rede.

Além disso, o armazenamento físico pode ajudar a amenizar as questões de segurança. Para consumidores cautelosos quanto ao upload de conteúdos pessoais para a nuvem, as opções de armazenamento como os cartões de memória microSD e SD podem minimizar as preocupações, garantindo que seus dados estarão seguros e ao alcance de suas mãos.

Conteúdo sob demanda

Não se pode negar que os dispositivos inteligentes capazes de baixar conteúdo da Internet têm acesso a um vasto repertório de músicas, imagens e vídeos — algo que nenhuma pessoa seria capaz de alcançar por conta própria — mas, ser capaz de encontrar algo nem sempre significa que você terá facilidade de visualização ou de acesso.

As operadoras estão trabalhando sem parar para fortalecer seus sinais, mas o explosivo apetite por conteúdo não para de crescer. A criação, a expansão e o upgrade das redes exigem equipes de construção, licenças de trabalho, cabos de fibra transcontinentais e antenas.  As empresas continuam a aprimorar as redes, mas lentidões ainda podem irromper, especialmente durante as “horas de rush da Internet”. Além disso, os arquivos baixados ou transmitidos de sites continuam aumentando de tamanho, à medida que conteúdos de alta fidelidade se tornam mais amplamente disponíveis.

Nessas situações, os dispositivos de armazenamento local, como os cartões de memória microSD e cartões SD, podem fornecer aos usuários uma forma de acessar músicas, imagens e vídeos sob demanda sem frustração, com pouco ou nenhum atraso. Não há necessidade de se preocupar com horários de pico na utilização, a velocidade da Internet ou o tempo de armazenamento em buffer. Além disso, com a tecnologia que os cartões apresentam hoje, os usuários podem facilmente assistir a filmagens de ultra-alta definição 4K sem falhas ou atrasos — algo que de outra forma exigiria uma conexão com largura de banda premium.

A casa inteligente

À medida que a Internet das Coisas (IoT, Internet of Things) continuar a se expandir nos lares, os dispositivos de armazenamento local serão ainda mais favorecidos em relação a nuvem.  Haverá uma enorme quantidade de objetos coletando muito mais dados do que coletamos hoje, e esses dados frequentemente vão demandar ações rápidas.

Os dispositivos conectados são adotados por sua capacidade de análise e ajustes instantâneos — não há tempo de enviar para a nuvem. Embora esses dispositivos precisem de processadores rápidos, o armazenamento integrado à placa vai ajudar a garantir que os dados possam ser armazenados com rapidez e segurança.

O poder em suas mãos

Os consumidores raramente pensam onde seus dados estão fisicamente armazenados. Suas principais preocupações são se os dados estão seguros, disponíveis quando necessários, se podem ser acessados facilmente e se são confiáveis.  O acesso a redes sem fio e à Internet fornece oportunidades incríveis para criar, salvar e compartilhar, mas não é uma solução absoluta quando se trata de armazenamento.

Enquanto os limites de dados, as lacunas nas redes sem fio e as questões de segurança continuarem a existir, a recuperação de conteúdos em redes abertas será sempre um desafio. A capacidade de armazenar conteúdo localmente será necessária à medida que a criação e o consumo de dados continua a crescer nesse ritmo acelerado.

Independentemente de os usuários estarem buscando capturar momentos, desfrutar de entretenimento digital ou ter uma casa que pense por eles, existem opções de armazenamento local, como os cartões de memória microSD, disponíveis ou já em funcionamento.  Elas são parte fundamental da criação de uma experiência de usuário consistente, fluida e agradável.

© SD Association. Todos os direitos reservados. As marcas e os logotipos SD, SDHC, miniSDHC, microSDHC, SDXC e microSDXC são marcas comerciais da SD-3C, LLC

Imagem em destaque: openpandora GmbH (Michael Mrozek)